“Cántame” em fotos

Posted on Posted in atividades, atividades realizadas, espetáculo

Veja registros de alguns momentos do espetáculo “Cántame”, lançado pelo Grupo Vocal Coro e Osso em outubro, no Espaço de Eventos Villa Dorana (Matão SP). O ‘amor’ e o ‘tempo’ foram temas celebrados pelo Grupo, que comemora 25 anos em 2015. O evento fez parte das atividades do Coro e Osso como ‘Ponto de Cultura’, projeto da Associação Cultural Coro e Osso em parceria com o Ministério da Cultura, Consórcio Intermunicipal Culturando e Prefeitura Municipal de Matão. Fotos: Matheus Ricci

“FORÇA DA IMAGINAÇÃO, VAI LÁ”

Posted on Posted in atividades, espetáculo, midia

Artigo exclusivo de Zé Pedro Antunes, professor de literatura alemã da Unesp Araraquara, para o Jornal A Comarca.     ‘Força da imaginação, vai lá’   | Zé Pedro Antunes   Por que não dizer da perturbação que me toma de assalto ao emitir opinião sobre o que quer que seja. Uma conhecida, uma vez inventou uma fórmula sucinta: “Gosto, apenas gosto”. E garante que funciona, basta uma deslavada cara de conteúdo. “Aquele que pensa”, como se lê em Brecht, “não usa nem uma luz a mais, nem um pedaço de pão a mais, nem uma frase a mais”. Continuo tentando. Em ‘Cántame’, foram tantos os momentos em que me vi à beira de um soluço. Sabe aquele nó na garganta? Um professor de redação que tive costumava falar em “arrepio estético”. Falo de transbordamentos que nada têm a ver com sentimentalismos. O nó na garganta tem a ver com o que se materializa em arte em nossa presença. Pois me digam se não emociona, se não arrepia ver cada um desses meus amigos de muito antes, inibições e entraves perdidos na distância juntamente com imposições do meio ou de um suposto destino que lhes coubesse, a se entregar por inteiro à representação. No início, foi como se no palco as pessoas se multiplicassem, pudessem não vir a caber mais nem no tablado nem em si mesmas. Aí desviei o olhar para a bela peça que se via pendurada acima de todas aquelas cabeças poderosamente iluminadas e vi que era o espelho do que se movia ali abaixo, do que nos comovia no silêncio que se fazia ainda mais abaixo. Tratei então de me fi xar nas letras das canções, queria memorizar, selecionar, guardar alguns versos que me pudessem guiar no aperto de traduzir em palavras o que em palavras […]

“CORO E OSSO, FALANDO DE AMOR”

Posted on Leave a commentPosted in espetáculo, midia

  Em entrevista concedida ao jornalista Sérgio Gabriel, do Jornal A Comarca, maestro Luiz Piquera fala sobre processos de criação e suas expectativas para a estreia do espetáculo Cántame.   | Sérgio Gabriel No novo espetáculo, ‘Cántame’, grupo celebra o sentimento que nutre seu existir Quem tem o privilégio de compartilhar da arte do Grupo Vocal Coro e Osso ao longo de seus 25 anos de existência, completados no último dia 12 de outubro, sabe do autêntico sentimento que move cada um de seus integrantes a se reunirem para cada ensaio, cada apresentação: o amor. “Esse amor tem sido a tônica, a força, o sentimento que nutre e orienta o cantar e o caminhar do Grupo Vocal Coro e Osso ao longo desses 25 anos de existência e cantoria”, atesta o maestro e arranjador Luiz Piquera. Assim, nada mais natural – e certeiro – de que esse amor seja o tema do novo espetáculo do Coro e Osso, ‘Cántame’, que será apresentado nos próximos dias 22, 23 e 24, na Villa Dorana. Ao costurar primorosamente um roteiro com 15 canções relacionadas ao amor, Piquera deixa clara a sua urgência de explicitar o tema: “Mais e mais temos que falar do amor, despudoradamente. Temos que fazer isso virar mais assunto. Às vezes, a gente fala mais daquilo que não quer e não aprecia, e falamos muito pouco daquilo que de fato gostamos e necessitamos”. E talvez até mesmo pelo tema estimular uma constante partilha de sentimentos, a concepção do trabalho proposto pelo maestro foi prontamente assimilada pelo grupo desde a sua gênese. “Considero que o coro assumiu este espetáculo de uma forma muito mais intensa. Sempre houve total comprometimento em todos os trabalhos anteriores, mas agora pegou em todos nós a idéia de que o que importa é a construção. O que importa é o grupo, é […]