“CORO E OSSO, FALANDO DE AMOR”

Posted on Leave a commentPosted in espetáculo, midia
Intensidade. “Pegou em todos nós a idéia de que o que importa é a construção, é a entrega, é a emoção que todos nós já sentimos nesse processo”, diz o maestro Luiz Piquera
Intensidade. “Pegou em todos nós a idéia de que o que importa é a construção, é a entrega, é a emoção que todos nós já sentimos nesse processo”, diz o maestro Luiz Piquera

 

Em entrevista concedida ao jornalista Sérgio Gabriel, do Jornal A Comarca, maestro Luiz Piquera fala sobre processos de criação e suas expectativas para a estreia do espetáculo Cántame.

 

| Sérgio Gabriel

No novo espetáculo, ‘Cántame’, grupo celebra o sentimento que nutre seu existir

Quem tem o privilégio de compartilhar da arte do Grupo Vocal Coro e Osso ao longo de seus 25 anos de existência, completados no último dia 12 de outubro, sabe do autêntico sentimento que move cada um de seus integrantes a se reunirem para cada ensaio, cada apresentação: o amor. “Esse amor tem sido a tônica, a força, o sentimento que nutre e orienta o cantar e o caminhar do Grupo Vocal Coro e Osso ao longo desses 25 anos de existência e cantoria”, atesta o maestro e arranjador Luiz Piquera.

Assim, nada mais natural – e certeiro – de que esse amor seja o tema do novo espetáculo do Coro e Osso, ‘Cántame’, que será apresentado nos próximos dias 22, 23 e 24, na Villa Dorana. Ao costurar primorosamente um roteiro com 15 canções relacionadas ao amor, Piquera deixa clara a sua urgência de explicitar o tema: “Mais e mais temos que falar do amor, despudoradamente. Temos que fazer isso virar mais assunto. Às vezes, a gente fala mais daquilo que não quer e não aprecia, e falamos muito pouco daquilo que de fato gostamos e necessitamos”.

E talvez até mesmo pelo tema estimular uma constante partilha de sentimentos, a concepção do trabalho proposto pelo maestro foi prontamente assimilada pelo grupo desde a sua gênese. “Considero que o coro assumiu este espetáculo de uma forma muito mais intensa. Sempre houve total comprometimento em todos os trabalhos anteriores, mas agora pegou em todos nós a idéia de que o que importa é a construção. O que importa é o grupo, é a entrega, é a emoção que todos nós já sentimos nesse processo”, traduz Piquera.

Não raras vezes, em variados espetáculos nestes 25 anos, a intensidade dessa relação que emana do Coro e Osso extravasa do palco… e retorna da plateia matonense. “Acho muito bacana o carinho que temos do público de Matão. Integrantes de coros de outras cidades comentam sobre a dificuldade de levar público às apresentações, e aqui nós sentimos que o público de Matão responde de um jeito muito presente e muito carinhoso com o Coro e Osso. Não tem nobreza maior do que cantar para as pessoas de sua comunidade e ter essa retribuição carinhosa”, define Piquera, em entrevista que segue.

 

A Comarca – Como se relacionam os processos de pesquisa vocal desenvolvidos pelo coro com o conceito dos espetáculos?

Luiz Piquera – Nós trabalhamos com pesquisa o tempo todo, até mesmo porque cantar em coro abre muitas possibilidades. Hoje não sabemos nomear exatamente o contexto em que estamos, porque temos mais de uma linha de pesquisa. Por exemplo: o nosso trabalho autoral, Suíte Música Vogal, conduziu para uma abordagem sociológica a partir de uma música sem palavras, mas que tem discurso, apresentada inicialmente no espetáculo ‘Outro’ e depois no ‘Assentamento Instável’. Foi um tipo de pesquisa de linguagem artística que abriu muitas possibilidades com a teatralidade, evocando personagens e diálogos entre os atores-cantores numa dramaturgia. Em outra linha de pesquisa, trabalhamos com canções – com ênfase maior no espetáculo ‘Temporal’, quando passamos a questionar a própria construção dos arranjos. A canção para o canto coral é interessante porque parte de um canto solista, pois originalmente ela foi composta para ser cantada por um cantor e, de repente, nós vamos transformar aquilo ao elaborar uma harmonia, criar contrapontos, fazer um arranjo vocal para ser executado por um grupo de cantores em vários naipes. E no ‘Temporal’, nós começamos a refletir também sobre a questão instrumental. O formato de coral e orquestra existe desde o período barroco, então pensar em coro e instrumental não é algo tão estranho, mas pensar isso na dimensão da canção é interessante porque abre possibilidades de harmonias com os instrumentos e contribuições rítmicas de percussão. Isso foi trabalhado no ‘Temporal’, que teve como tema o ‘tempo’, analisado na obra de diferentes compositores brasileiros. Não diria que o ‘Cántame’ é um desapego, e sim um aprofundamento do ‘Temporal’, agregando outro elemento temático – o amor. Então, o ‘Cántame’ continua a linha de pesquisa do ‘Temporal’ com canções.

 

A Comarca – Como se deu o processo de escolha do repertório para o ‘Cántame’?

Piquera – Foi feita uma pesquisa muito grande. Algumas músicas ‘pularam’ para dentro do espetáculo, e foram conquistando o direito de fi car no roteiro. A pesquisa de repertório é outro ponto que procuramos desenvolver. Não basta apenas gostar da música, porque na hora de costurar um roteiro, aquela música que é tão bonita – e até pode falar do amor – pode trazer ruídos ao espetáculo. Por exemplo: se uma linda canção, que fala de uma relação amorosa, citar o nome de alguém – como ‘Ligia’, de Tom Jobim –, compromete o roteiro do espetáculo, pois Ligia não é nenhuma personagem do ‘Cántame’. Isso dificulta mais a pesquisa de repertório, pois a música escolhida deve ter a possibilidade de ‘liga’ com as demais canções do espetáculo. Então procuramos fazer um recorte do tema (o amor), que é absolutamente amplo, infinito, mas também apresentando como o amor pode ser observado nas mais variadas dimensões da vida.

 

A Comarca – O grupo cultiva uma relação muito próxima com canções de compositores latino-americanos. Elas também estão neste novo espetáculo.

Piquera – A gente faz questão dessa proximidade com a cultura latino-americana. Primeiro porque existe uma riqueza enorme na música dos nossos países vizinhos, principalmente nas canções de origem folclórica, onde os compositores buscam referências. O Jorge Drexler compôs uma canção se referindo a um tamboreiro, uma tradição que só existe por conta do horror da escravidão dos africanos levados para o Uruguai. Existe uma ampla variedade de ritmos, como a cueca, a cumbia, a salsa, o candombe, enfi m. Isso é maravilhoso! De alguma maneira, nós temos que olhar para essa riqueza que está tão próxima. A música dos Estados Unidos é muito bacana, a música inglesa também, mas existe mais do que isso, e bem próximo da gente. Então é importante exercitar esse ouvir.

 

A Comarca – Fale sobre a expressão ‘Cántame’, que dá título a este espetáculo cujo tema é o amor.

Piquera – O compositor venezuelano Franco De Vita expressa o amor de uma forma muito suplicante na canção ‘Cántame’. Quando me deparei com essa música, já envolvido pelo tema do espetáculo, eu senti que essa frase é imperativa, mas suplicante, de quem necessita da conjugação do verbo amar em duas pessoas ou mais, e não na solidão. O compositor suplica o desejo de que alguém expresse o amor. Acho que isso representa bem o conceito do espetáculo.

 

 

Clique no link abaixo e visualize a matéria com fotos (formato pdf).

AComarca

ESPETÁCULO CÁNTAME com o Grupo Vocal Coro e Osso

Posted on Leave a commentPosted in Uncategorized

CÁNTAME é o novo espetáculo do Coro e Osso que, seguindo sua linha de pesquisa sobre diferentes possibilidades para o canto coletivo, aprofunda a investigação de questões técnicas e estéticas sobre a ‘forma canção’ e a polifonia vocal, seja na elaboração dos arranjos e na condução interpretativa, seja na voz do cantor e o quê canta essa voz.

Tais questões já se fizeram presentes quando da montagem do espetáculo TEMPORAL (2010).

Porém, se o ‘tempo’ foi o objeto temático motor daquele trabalho, dessa vez, um outro elemento, tão nobre, e talvez tão absoluto – quem sabe ainda maior – é acrescentado na concepção e construção do espetáculo: o Amor.

E se aqui ele é objeto de estudo dentro do universo da canção, ele, o Amor, tem sido a tônica, a força, o sentimento que nutre e orienta o cantar e o caminhar do grupo ao longo destes 25 anos de existência e cantoria, comemorados agora, em 2015.

Concepção, direção e arranjos: Luiz Piquera

Direção e iluminação: Alexandra Mariani

 

anuncio

“Concertos didáticos” – IV Centenário

Posted on Leave a commentPosted in atividades realizadas

As comunidades dos bairros IV Centenário e Santa Cruz, receberam o Grupo Vocal Coro e Osso na sexta feira, dia 8 de maio, para mais uma apresentação do “Concertos Didáticos”.
De forma didática e descontraída, o grupo mostra seu jeito de cantar coletivamente, apresentando um repertório de canções brasileiras, músicas indígenas e africanas, entre outras de diferentes tempos e lugares.

Realização:
Ministério da Cultura do Governo Federal, Consórcio Intermunicipal Culturando e Prefeitura Municipal de Matão

Apoio:
IMMES e Secretaria Municipal do Bem Estar Social

As atividades fazem parte da programação da ACCO para o 2º ano do Consórcio “Ponto de Cultura”.

vejam as fotos..

 

 

IFPS recebe o projeto “Concertos Didáticos”

Posted on Leave a commentPosted in Uncategorized

No último dia 10, o Grupo Vocal Coro e Osso apresentou o projeto “Concertos Didáticos” no IFPS – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Campus Matão.

(Projeto é realizado como ação do Ponto de Cultura, em parceria com o Ministério da Cultura do Governo Federal, Consórcio Intermunicipal Culturando e Prefeitura Municipal de Matão)

Espetáculo “Assentamento Instável” no CEU

Posted on Posted in atividades realizadas

Grupo Vocal Coro e Osso apresenta:

Espetáculo “Assentamento Instável”

Dia 07/11, sexta-feira
Local:  Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU) / Portal Terra da Saudade.

1ª seção: 19h (40 lugares)
2ª seção: 20h30 (40 lugares)
Retirada de ingressos na Casa da Cultura

Grátis | Indicação etária: 14 anos

(Projeto realizado como ação do Ponto de Cultura, em parceria com o Ministério da Cultura do Governo Federal, Consórcio Intermunicipal Culturando e Prefeitura Municipal de Matão)

 

slide_assentamento_ceu-1024x386

Espetáculo "Temporal" em Santa Lúcia

Posted on Posted in atividades realizadas

Grupo Vocal Coro e Osso apresenta:

Espetáculo “TEMPORAL”
Um sopro de vida na voz

GRÁTIS
Retirada de ingressos na Secretaria do Centro Pedagógico
Recomendado para maiores de 12 anos

(Projeto realizado como ação do Ponto de Cultura, em parceria com o Ministério da Cultura do Governo Federal, Consórcio Intermunicipal Culturando e Prefeitura Municipal de Matão)

temporal_santalucia1-1024x386

Concertos Didáticos – CEU

Posted on Posted in atividades realizadas

Na última sexta-feira, 12, o Grupo Vocal Coro e Osso realizou mais um “Concerto Didático” no CEU.

Confira algumas fotos…

(Projeto realizado como ação do Ponto de Cultura, em parceria com o Ministério da Cultura do Governo Federal, Consórcio Intermunicipal Culturando e Prefeitura Municipal de Matão)